O Grito que não aguenta mais dormir e as palavras que cansaram de se esconder…

Imagem

 

Como já diz nosso Querido Rogério Flausino :

 

 Pra onde irão as palavras Depois do grito?

 Pra onde irão as palavras?

 Pra onde é que vai a alma Depois do tiro?

 


 Eu queria saber como assimiliar minha ansiedade em gritar, com a outra não menos importante que é o de soltar palavras nunca ditas, e nunca mortas dentro de mim,vivas a cada dia. 

Aquela briga em fazer as duas coisas juntas,mas o grito cala as palavras,e as palavras mata o grito. Há uma hora que se uma ou outra não sair,não desencadear-se dentro de si, a guerra te domina e te mata.

 Mas ainda assim tu continua a existir, e não haverá nenhuma necessidade de se preocupar com elas,pois você já se acostumou e não faria sentido soltá-las mais. Talvez se eu faxinasse a caixa de sentimentos que habita em mim,jogar alguns fora,deixar de dar prioridades pra uns e priorizar outros,poderia talvez abafar o grito? Pudera ser fácil quanto escrever aqui agora,mas como convencer meu coração com a nova limpeza em seu recipiente? Como mostrar que as pessoas mudam,os sentimentos também devem mudar,certas pessoas nem sentimento são merecedores de ter. 

Mas o problema é que eu não quero mais me sentir assim. O silêncio já se fez muito presente,e as lembranças e dores de ontem ainda são tão vivas que às vezes penso ser elas que me movem,me levantam todos os dias. 

Me enganar que as coisas estão bem,que elas vão mudar e vão melhorar não tem funcionado,porque o passado também revela o futuro,e por Deus como é que será? 



Certos momentos,esse turbilhão de sentimentos bons e ruins só se aquietariam ao calor do teu abraço,Pai. 


 Hellen C.

Anúncios

I quit…

Imagem

 Lutando contra meu lado ruim …

Como enfrentar o mal que há dentro de si ? Como ter uma dor incalculável e lembrar dela a cada segundo do seu dia e não querê-la por perto?

Sinto que cheguei no pico da montanha e lá encontrei trilhões de guerreiros ansiosos por uma outra batalha novamente,mas antes de chegar ao pico dessa montanha eu já havia os derrotado antes,e olhando assim para eles,sinto que são iguais… Alguns sei o nome décor pois foi os que mais bati de frente,que foi o Ódio,a Tristeza,a Solidão,a Raiva,a Angustia,Vergonha,Indecisão, Medo,Indiferença,Frieza e a Perda. Não sei definir qual mais chegou perto da minha destruição,e então depois que me vi destruindo todos eles,sorri por um minuto e chegando perto de mandar embora essa tal dor,os vejo novamente perante a mim cada vez mais fortes e mais equipados. E quanto a mim, tinha armas fracas e quebradiças, tais armas cujo nome seria Fé,Esperança,Amor e Equilíbrio tinham me deixado na mão,o pouco de cada uma delas que ainda permanecia comigo seria inútil contra uma nova batalha,e não posso mais com nenhum destes guerreiros… Devo entregar os pontos e tentar seguir em frente,destruída,derrotada e com a tal dor ao meu lado caminhando nesse vago trajeto que não quero enxergar onde vai dar,apenas ir. Que,no caminho eu encontre algo bom,se não que seja.

– Hellen Caroline –

“Ideal seria que todas as pessoas soubessem amar, o tanto que sabem fingir”

Imagem

Vamos fingir que tudo está bem. Que as piadas do palhaço ainda são engraçadas e que o coração não dói. Que o ambiente reservado para fumantes não sufoca e que esperar na fila do banco não cansa. Vamos fazer parecer que nenhuma música é uma lembrança e que o cheiro não grudou na ponta do nariz. Vamos fingir que eu não o vejo em todo canto e que o meu lado da cama dele ainda espera por mim. Vamos fazer de conta que esse espaço todo não aperta e que o que sinto não é necessidade. Vamos fechar os olhos e imaginar que esse ainda não foi o inicio do fim.
 Casebre.